Que mudanças são esperadas na ONU esta semana?

Mais da metade dos membros da Comissão das Nações Unidas sobre Entorpecentes (CND) indicaram que rejeitariam uma proposta que introduziria a CDB na Convenção Única da ONU de 1961 sobre Estupefacientes, embora através de uma nota de rodapé de isenção, de acordo com o CND Monitor, que rastreia questões internacionais de drogas.

CND reúne quarta-feira para considerar as políticas de drogas.

Os países presumivelmente estão a seguir o exemplo dos Estados Unidos e dos interesses europeus do cânhamo, cujos representantes afirmam que o CBD não está sujeito às regras internacionais sobre drogas, tornando a nota de rodapé irrelevante. Tanto os Estados Unidos quanto os países da União Europeia indicam que a nota de rodapé “não é a forma apropriada” para reafirmar a isenção da CDB.

Sob a proposta específica, uma cláusula seria adicionada que: “As preparações contendo predominantemente canabidiol (CBD) e não mais do que 0,2 por cento de delta-9 tetrahidrocanabinol não estão sob controle internacional.”

Medo do precedente

A proposta, do 41º Comitê de Especialistas em Dependência de Drogas (ECDD) da Organização Mundial da Saúde (OMS), diz respeito ao CBD apenas no contexto de aplicações médicas ou de pesquisa e não está totalmente relacionada aos regulamentos que regem os extratos naturais de cânhamo em alimentos e cosméticos. A recomendação está entre as orientações relacionadas à canábis do Comitê de Especialistas da OMS.

As autoridades americanas alegara que querem evitar abrir “um precedente para a necessidade do CND necessitar de adicionar notas de rodapé”, o que “eliminaria a presunção de que estes componentes não são controladas, a menos que seja explicitamente declarado para ser controlado”.

“Este é o estado da situação: algo que não está listado na convenção presume-se que não está sob controle”, de acordo com a posição dos EUA. A proposta da OMS de notas de rodapé como forma de esclarecer a isenção dos medicamentos com CBD dos controles internacionais de drogas abriria um péssimo precedente, afirma a posição dos EUA.

EUA, UE alinhados

Funcionários dos EUA reafirmaram repetidamente que o CBD médico não está programado nas convenções internacionais de medicamentos e, portanto, não está sujeito a controles de estupefacientes, lembrando também que o CBD que pode estar presente em produtos de cânhamo industrial é igualmente isento de controlo.

Espelhando a posição dos EUA, os países da UE na CND, que votam num bloco de 12, indicaram que votarão contra a nota de rodapé proposta sobre a CDB. A European Industrial Hemp Association (EIHA) que representa a “posição comum das indústrias do cânhamo no sistema internacional de controle de drogas”, argumenta igualmente que a CND não está autorizada a classificar o cânhamo industrial como um potencial narcótico porque o cânhamo não está sujeito a controlo ao abrigo da Convenção de 1961. Na verdade, o cânhamo industrial nunca foi listado naquele documento ou em seus protocolos suplementares, apontou a EIHA. A EIHA aproveitou a ocasião da última reunião do CND para reeditar a sua posição comum, apelando para um quadro jurídico internacional claro para o cânhamo industrial.

Segunda proposta

Enquanto isso, uma aparente maioria dos 53 países membros indicou que pretende apoiar uma segunda recomendação da OMS que removeria a expressão “extratos e tinturas de canábis” da convenção de 1961 e substituí-la por “preparações de canábis”, uma sugestão que afectaria positivamente o CBD simplificando a lei do tratado. O apoio a essa proposta parece bom, de acordo com o CND Monitor, que mostra que 21 estados membros já indicaram aprovação.

Os países da UE no CND indicaram que votarão a favor da proposta de remover os extratos e tinturas de cannabis da Lista I da convenção de 1961.

Em ambas as votações, nem todos os países indicaram como pretendem votar antes da reunião virtual do CND de amanhã. Alguns dos 53 Estados membros com direito a voto na Comissão continuam firmemente contra a reclassificação de qualquer das formas de canábis.

O assunto primordial na agenda do CND na quarta-feira é a proposta da OMS de remover a canábis e a resina de canábis do Anexo IV da Convenção Única de 1961, a categoria mais restritiva – uma mudança que efetivamente, e finalmente, reconhecerá o valor medicinal da canábis. A transição colocaria estes produtos na classe I, a menos restritiva.

____________________________________________________________

Notícia: Hemptoday
Foto de destaque: HempToday

 

Leave a Comment

O seu endereço de email não será publicado.